Frida Kahlo

"Porque é que lhe chamo Meu Diego?
Ele nunca foi e nem será meu.
Ele pertence a si próprio."
O abraço de amor do Universo, a Terra (México), Eu e o Senhor Xolotl, de 1949

"Amputaram-me a perna há 6 meses, deram-me séculos de tortura e há momentos em que quase perco a razão. Continuo a querer me matar. O Diego é que me impede de o fazer, pois a minha vaidade faz-me pensar que sentiria a minha falta. Ele disse-me isso e eu acreditei. Mas nunca sofri tanto em toda a minha vida.Vou esperar mais um pouco...''
Auto Retrato 1953
"Algum tempo atrás, talvez uns dias, eu era uma moça caminhando por um mundo de cores, com formas claras e tangíveis. Tudo era misterioso e havia algo oculto; adivinhar-lhe a natureza era um jogo para mim. Se você soubesse como é terrível obter o conhecimento de repente - como um relâmpago iluminado a Terra! Agora, vivo num planeta dolorido, transparente como gelo. É como se houvesse aprendido tudo de uma vez, numa questão de segundos. Minhas amigas e colegas tornaram-se mulheres lentamente. Eu envelheci em instantes e agora tudo está embotado e plano. Sei que não há nada escondido; se houvesse, eu veria.''
Raízes 1943
"Origem das duas Fridas. Recordação. Devia ter 6 anos quando vivi intensamente a amizade imaginária com uma menina de minha idade. (...) Não me lembro de sua imagem, nem de sua cor. Porém sei que era alegre e ria muito. Sem sons. Era ágil e dançava como se não tivesse nenhum peso. Eu a seguia em todos os seus movimentos e contava para ela, enquanto ela dançava, meus problemas secretos. Quais? Não me lembro. Porém ela sabia, por minha voz, de todas as minhas coisas...''
Sobre a obra As Duas Fridas
''Estou quase terminando o quadro que nada mais é que o resultado da tal operação. Estou sentada à beira de um precipício - com o colete em uma das mãos. Atrás estou deitada numa maca de hospital - com o rosto voltado para a paisagem - um tanto das costas está descoberto, onde se vê a cicatriz das facadas que me deram os cirurgiões filhos de sua... recém-casada mamãe.''
Sobre a obra ''A Árvore da Esperança''
"Diego está na minha urina, na minha boca, no meu coração, na minha loucura, no meu sono, nas paisagens, na comida, no metal, na doença, na imaginação."
Auto-retrato com roupa tehuana "Diego na minha mente" 1943

"Perdi três filhos e uma série de outras coisas, que teriam preenchido minha vida pavorosa. Minha pintura tomou o lugar de tudo isso"
"Hospital Henry Ford" de 1932
"Pinto a mim mesmo porque sou sozinha e porque sou o assunto que conheço melhor" Auto-retrato, de 1940(E o que mais dói) É viver num corpo que é um sepulcro que nos aprisiona (segundo Platão) do mesmo modo como a concha aprisiona a ostra"
ela "O Pequeno Cervo" de 1946 "
'Acho que é melhor nos separarmos e eu ir tocar minha música em outro lugar com todos os meus preconceitos burgueses de fidelidade.''
ela "Um pequeno estreitamento" de 1935

"Não estou doente. Estou partida. Mas me sinto feliz por continuar viva enquanto puder pintar"
Coluna Partida 1944


Outros trechos do diário de Frida Kahlo:

"Pés para que os quero se tenho asas para voar. 1953."

"SORISO TERNURA
gota, sota, mote
MIRTO, SEXO, roto
CHAVE, SUAVE, BROTA
LICOR mão firme
AMOR assento firme
GRAÇA VIVA
VIDA PLENA
PLENA
SÃO..."

"Já vai? NÃO.

ASAS ROTAS"


"Obrigada aos médicos Farill - Glusker - Párres
e ao Doutor Enrique Palomera, Sanche Palomera
Obrigada às enfermeiras

Manteve cabeça erguida na dor e viveu como como Diego Rivera recomendou, um dia, a ela: 'Pega da vida tudo o que ela te der, seja o que for, sempre que te interesse e possa dar certo.' Ela costumava dizer que 'a tragédia é o mais ridículo que há' e 'nada vale mais do que a risada'.

2 comentários:

Henrique disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Henrique disse...

Associar as telas ao diário de Frida é uma forma de compreendermos melhor a vida e a obra dessa espetacular artista.