A Dialética da Inveja


do Lat. invidia


s. f.,
misto de pena e de raiva;
sentimento de desgosto pela prosperidade ou alegria de outrem;
desejo de possuir aquilo que os outros possuem;
ciúme;
emulação, cobiça.

O número dos que nos invejam confirma as nossas capacidades.
Oscar Wilde

"Inveja é sua forma incompetente de me admirar."
(Autor Desconhecido - e muito sábio)

Poderia citar inúmeros pensamentos e opiniões sobre o tema, hoje darei a minha.

Nada filosófica ou com pretensões de alcançar ou atingir algum objetivo. Antes um devaneio intimista.

A inveja é considerada por muitos como o mais dissimulado dos sentimentos humanos, não só por ser o mais desprezível mas porque se compõe, em essência, de um conflito insolúvel entre a aversão a si mesmo e o anseio de autovalorização, de tal modo que a alma, dividida, fala para fora com a voz do orgulho e para dentro com a do desprezo.

O único invejoso assumido da literatura universal é O Sobrinho de Rameau, de Diderot, personagem caricato demais para ser real. Mesmo O Homem do Subterrâneo de Dostoiévski só se exprime no papel porque acredita que não será lido.

Eu prefiro a simplicidade das palavras e no eu entender a inveja é tudo isso e muito mais por ser um sentimento inerente ao ser humano, e isso já resume tudo que possa ser dito.

O fato é que ela nunca engana, está sempre ali exposta e escancarada mesmo que não seja ré confessa.Porque confessamos nossos ódios, humilhações, medos, ciúmes, tristezas,etc.

- Inveja, nunca.

Se cobiçar é ter inveja, então eu cobiço.

Cobiço uma paisagem como essa onde eu pudesse ter todos os dias PUROS.

Imagem: Nelson .

Nenhum comentário: