Amor à primeira vista

Salvador Dali já desenhava a figura de Gala antes mesmo de conhecê-la. Em vários quadros aparece o corpo daquela que um dia seria o seu grande amor.

A musa de toda uma vida, Elena Ivanovna Diakonova, nascida em Kazan, Tartária, Rússia, conhecida como Gala Éluard era casada com o poeta Paul Eluard quando conheceu Dali.

Sempre que a via Dali era tomado por um riso incontrolável e não conseguia falar-lhe. Foi preciso que ela o acalmasse para conseguir uma declaração de amor. E ela veio, penosa e gaguejada, pela dificuldade de Dali controlar-se, depois de um passeio pelo campo.

Dali cobriu-se de excrementos para provar a Gala o seu amor. Ela viu nisso uma declaração e se deixou tocar pela loucura dele, ou seja, os dois não eram lá muito inseridos nos padrões normais de comportamento.

Em 1934 Dalí e Gala, que já viviam juntos deste 1929, casaram-se numa cerimônia civil.

Mas nem tudo eram rosas, e os últimos anos de vida com Gala foram muito turbulentos e catastróficos. Numa tentativa de o tornar mais enérgico e capaz de pintar mais quadros, “a velha e gananciosa” – como era conhecida -, Gala fazia com que Dalí tomasse perigosos cocktails de antidepressivos e calmantes em doses maciças, o que haveria de danificar irremediavelmente o sistema nervoso e levá-lo à incapacidade total. Gala morreu em Port Lligat na madrugada de 10 de Junho de 1982 (o corpo foi transportado às escondidas para Pubol). Desde então, Dalí ficou profundamente deprimido e desorientado, perdendo toda a vontade de viver. Recusava-se a comer, ficando desidratado — talvez numa tentativa de suicídio, ou talvez tentando colocar-se num estado de animação suspensa, como lera que alguns animais microscópicos conseguiam fazer. Teve de ser alimentado por uma sonda nasal.

Gala foi uma incentivadora do gênero meio enlouquecido do artista e foi a grande comandante da vida de Salvador Dalí. Ele provavelmente não teria sido o que foi sem a ajuda e a inspiração emprestada por Gala. O fato é que daí veio uma duradoura história de amor. Dali jamais teve outra mulher e mesmo depois da morte de Gala nada mais ocupou o seu lugar.

Tela: Gala como Leda y el Cisne


3 comentários:

Paulo: Osrevni disse...

Não tem um grande artista cuja história não seja carregada de dores pesadas... Está passando um filme sobre a Edith Piaf que mostra como essa mulher sofreu. É qualquer coisa de desumano. Em compensação, esses gênios fazem coisas sublimes, com as quais nem chego a sonhar.

Juliette Greco disse...

Dalí era um grande amigo de Luis Buñuel, um cineasta espanhol que inclusive rompeu relações temporariamente com Dalí porque este se enamorara por Gala. Segundo Buñuel, ele se chateou com Dalí porque não gostava das pernas de Gala, que eram um tanto separadas, achando uma estupidez Dalí encantar-se por ela.

Juliette Greco disse...

Tanto Dalí quanto Luis Buñuel e Magritte (pintor desse cachimbinho - que não é um cachimbo - ai em cima)eram membros do movimento surrealista dos anos 20/30.